terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Seminário sobre animação Sociocultural: um propósito da Educação Social

Lançamento do 3º livro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Social e Ação Comunitária – GEPESAC. O livro faz parte da coletânea “Pedagogia Social”, que discute a educação em geral e em específico a Educação Social. Nessa edição, tem o título “Animação Sociocultural: um propósito da Educação Social”, organizado por: Odair Marques da Silva, Noêmia de Carvalho Garrido, Sueli Maria Pessagno Caro e Francisco Evangelista.

LOCAL

Estação Guanabara – “Centro Cultural de Inclusão e Integração Social da UNICAMP”
Rua: Mario Siqueira – Enfrente a Pça. Mauá
Bairro: Guanabara - Campinas

PROGRAMAÇÃO

Data: 6 de dezembro de 2012

Público: Comunidade Educativa da RMC: estudantes, pesquisadores e professores da rede estadual,  municipal, privada e público em geral.

Horário: Das 19h:00 às 21:00horas

Será oferecido certificado de participação. (impresso pelo cis)

ATIVIDADES

19:00h - Recepção
19:30hApresentação “Hino Nacional”  - Tenor – Vicente de Paulo Monteiro (músicas intercaladas brasileiras e italianas).
Mesa de abertura "Animação Sociocultural: um propósito da Educação Social."
Participantes: Prof. Dr. João Frederico da Costa Azevedo Meyer, Pró-reitor de Extensão/Unicamp
Angela Maria  Morais, Coordenadora - CISGuanabara/Unicamp
Representante dos organizadores do livro
Representante dos parceiros: Unisal, GGBS, e Secretaria da Educação Hortolândia
Mediadores: Francisco Evangelista/Sueli
20h - Apresentação cultural  - Dupla Marcelo e Gabriel (e banda)
20:15hPalestra: A importância da Pedagogia Social na Atual Conjuntura, Prof. Dr. Roberto Silva, USP.
20:30hHortolendo: um projeto de educação social na cidade de Hortolância, Prof. Sandra Fagundes, Secretária Municipal de Educação de Hortolândia/SP
20:45h - Lançamento do livro: (apresentação no palco de todos os autores do livro que estiverem presentes)
Mediadores: Noêmia de Carvalho Garrido/Odair Marques da Silva

APRESENTAÇÃO DO LIVRO

ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL: PRÁXIS E POIESIS
Severino Antônio
           O leitor que faz travessias nos textos desta obra já pressente, desde os primeiros movimentos, que não está em um campo em que o otimismo da prática se contraporia ao pessimismo da razão, para lembrar a imagem de Gramsci. Teórica e praticamente os textos pulsam como experiências de resistência e de esperança, em sua tessitura de múltiplas vozes, em sua polifonia de sentidos.
            Reconhecemos nos relatos, nas análises e interpretações, uma diversidade de categorias teóricas e metodológicas, em que se manifestam concepções de educação social, pedagogia social, educação sociocomunitária e educação popular. Concepções estas que dialogam – com convergências, contrapontos e complementaridades – nas linhas e entrelinhas dos ensaios. Essa riqueza dialógica também está presente nas escolhas dos caminhos, nos métodos de investigação e exposição, em que predominam as pesquisas participantes e as observações participantes.
            A multiplicidade manifesta-se igualmente nas diversas ações e intervenções educativas e socioculturais, em que sobressai a unidade da diversidade: o reconhecimento dos sujeitos, das comunidades e movimentos pesquisados, como sendo produtores de cultura e de história, protagonistas de suas experiências de emancipação, autores de sua práxis que, como atividade criadora de sentido, revela-se uma forma de poiesis.
            Práxis e poiesis que fazem anamnese de memórias e saberes populares e de vozes raramente ouvidas ou silenciadas – no Brasil, em Portugal, em Angola, na Nigéria – e assim trazem novos campos de possíveis: para o próprio passado, ao evocar suas promessas de transformações emancipadoras, para o presente e para o futuro a ser criados, como humanização da história.

 


terça-feira, 15 de maio de 2012

terça-feira, 8 de maio de 2012



          O Congresso Internacional de Pedagogia Social, em sua quarta edição, é um evento dedicado a discutir de maneira ampla teoria, prática e profissionalização da Pedagogia Social, entendida como Teoria Geral da Educação Social. A quarta versão tem como tema " a hora e a vez da Educação Social". A escolha do tema foi impulsionada pelos pareceres favoráveis no Congresso Nacional Brasileiro ao projeto de lei 5346/2009, que torna a Educação Social uma profissão. Caso seja aprovado, o fato será um marco em nosso país, pois demandará, tanto no âmbito das políticas públicas de formação de trabalhadores sociais quanto no âmbito da formação acadêmica, profissional e técnica e ainda no âmbito das iniciativas de requalificação, aperfeiçoamento e especialização profissional, uma alocação de recursos humanos e materiais e uma logística consideráveis. Este novo quadro será reforçado institucionalmente no evento por meio da Assembléia Geral da ABRAPSOCIAL- Associação Brasileira de Pedagogia Social mostrando a importância, portanto, do fortalecimento no âmbito acadêmico, político e institucional da Pedagogia Social e da Educação Social. A sua realização é também um esforço conjunto de várias universidades em reunir pesquisadores e professores do Brasil e do exterior num evento que poderá trazer um importante retorno social para a educação brasileira
          O IV CIPS ocorrerá em duas universidades de Campinas (UNICAMP e UNISAL) e em São Paulo (PUC/USP/MACKENZIE). Nas universidades situadas na cidade de São Paulo estão programadas 03 mesas temáticas e 36 apresentações orais nos simpósios de pesquisa e pós-graduação. Em Campinas, estão programadas 03 conferências, 14 mesas temáticas, 08 oficinas (técnicas/profissionais) e artísticas, 03 ou 04 mini-cursos e duas sessões de vídeo-posteres, além de um encerramento com atividades culturais. Trata-se de evento com estimativa de 700 a 1000 inscritos, com convidados da América Latina, Ásia, África, América do Norte e Europa, que se propõe a aprofundar a reflexão teórica, a investigação das praticas no campo das profissões sociais, bem como contribuir para o aumento da produção de conhecimento na área.
         Como uma teoria das práticas institucionais e como disciplina científica ao mesmo tempo, a Pedagogia Social conta com tradições próprias de pensamento na Europa e em certa medida na América Latina. Ainda assim, o que no Brasil entendemos como Teoria Geral da Educação Social será problematizada enquanto teoria dos conflitos sociais, os quais marcam as instituições e os sujeitos, notadamente em espaços não escolares. Decorre daí a nosso ver, a importância de um congresso internacional, que com um amplo leque de atividades, ajude a fortalecer o debate teórico, as práticas humanas e a profissionalização na área.


Realização:

Desafios e Perspectivas da Educação Social: um mosaico em construção

Desafios e Perspectivas da Educação Social constitui a primeira obra da Coleção Pedagogia Social, criada durante o III Congresso Internacional de Pedagogia Social (de 20 a 24 de abril de 2010 na USP).
Enquanto Teoria Geral da Educação Social, a Pedagogia Social tem como seus campos de prática a Educação Popular, a Educação Social, a Educação Comunitária, a Educação Sociocomunitária e o amplo leque das práticas educativas denominadas Educação não formal no Brasil.
A obra dialoga com o movimento internacional da Pedagogia Social, apropria-se dos pressupostos teóricos e metodológicos da Teoria Geral da Educação Social e aponta diversos caminhos, tais como a organização dos educadores sociais, o perfil do educador social, os compromissos da educação social, entre outros.

Pedagogia Social

Primeiro título em português sobre o tema, 9 autores estrangeiros apresentam uma visão geral sobre a Pedagogia Social na Alemanha, Itália, Finlândia, Espanha, Portugal e Uruguai. Os 9 autores brasileiros, todos pioneiros no estudo do tema, desenvolvem reflexões sobre a aplicabilidade da Pedagogia Social em contextos diversos da realidade brasileira. O livro aborda a Pedagogia Social como uma nova área de conhecimento das Ciências da Educação e delineia seus campos de atuação, de formação e de pesquisa no Brasil. As perspectivas de regulamentação da Educação Social e da Pedagogia Social como novas profissões são melhor evidenciadas com a apresentação dos documentos norteadores desta prática nos países estrangeiros. Leitura obrigatória para professores, educadores sociais, populares e comunitários, ONGs e movimentos sociais que aqui encontrarão subsídios teóricos e metodológicos para resgnificar o que até hoje é pejorativamente classificado como Educação não formal no Brasil.


Pedagogia Social Vol. II: Contribuições para uma Teoria Geral da Educação Social 

Essa obra expressa um desejo e não uma realidade inconteste. A associação direta entre Pedagogia Social e educação social começou a ser feita no Brasil a partir da necessidade que identificamos de ressignificar as práticas de Educação popular, social e comunitária, pejorativamente alcunhadas de educação não formal. Esta ressignificação, levada a cabo no Volume 1 da Pedagogia Social, possibilitou classificar as diversas práticas alternativas à educação escolar em três domínios, segundo os recursos cognitivos que ela mobiliza: sociocultural, sociopedagógico e sociopolítico.
Esses domínios passam, doravante, a orientar, simultaneamente, a formação, a pesquisa e o campo de trabalho da educação social, constituindo-se em um corte epistemológico capaz de dialogar sem conflitos com a educação escolar e, ao mesmo tempo, resolvendo a ambiguidade em relação ao conceito educação não formal. É esta unidade teórica e conceitual do campo que autoriza conceber a Pedagogia Social como a Teoria Geral da Educação Social por excelência.



Pedagogia Social – Educação e Trabalho na Perspectiva da Pedagogia Social 

Em meio a estas adversidades globais, a educação sempre é lembrada como um alicerce para o crescimento das nações. Este livro procura imbricar estas relações, tendo o mundo do trabalho como pano de fundo deste conturbado cenário de virada de século. Incentivar a leitura, a pesquisa e a escrita é a principal razão dos proponentes destas reflexões, aliado ao ensejo de contribuir, coletivamente, para a construção de um mundo fraterno e carreado de justiça social.
O Brasil tem-se destacado internacionalmente por sua sustentabilidade econômica, inovações em sua organização política e projetos nas gestões públicas, frente aos desafios das crises financeiras que solapam países. Mas, há muito o que se precisa avançar para superar as desigualdades sociais.